Skip to content

Redação

Em entrevista ao programa Opinião, da Tv Pantanal, na noite desta quarta-feira (15), o candidato ao Senado Euclides Ribeiro (Avante), voltou a rebater seu adversário senador interino, Carlos Fávaro (PSD). Desta vez a resposta foi dura contra declaração de Fávaro que afirmou que Euclides defende barões do agronegócio para dar calote em empresas do setor.

“O senador tempão tem que repensar qual é o papel dele nesse Estado, foi ele que no Congresso Nacional votou contra a diminuição dos juros do cartão de crédito durante a pandemia e manteve na casa dos 300%. E veja só, para ele, produtor rural não pode se valer da recuperação judicial, algo que acabamos de ganhar no Superior Tribunal de Justiça, que decidiu em favor do produtor rural”.

Euclides relembrou ainda a Emenda nº 10 ao Projeto de Lei 1.397/2020 apresentada em julho deste ano por Fávaro. O PL previa medidas para minimizar os impactos provocados pela crise do novo coronavírus e incentiva a conciliação preventiva, desafogando o Judiciário, além de ser uma ferramenta jurídica importante para a recomposição e crescimento da economia.

De acordo com o documento, “o disposto na Lei 1.397/2020 não deverá ser aplicado aos produtos agrícolas adquiridos para entrega futura após a colheita. mesmo nas operações realizadas anteriormente ao próprio plantio,, Cédula do Produto Rural (CPR)”. Os apoiadores de Fávaro não devem ser prejudicados com a emenda, que deve afetar apenas os pequenos produtores.

“Somos um Estado produtor e a recuperação judicial está aí para salvar empregos e a nossa produção. Qual é a real intenção dele [Fávaro] ao dizer que o produtor rural não pode se recuperar? Qual grupo você defende, senador tampão? Pois sua afirmação não me ataca, e sim a seus colegas produtores, aos quais você chamou de caloteiros”, disparou Euclides.

“Os pequenos e médios produtores estão sendo roubados, só conseguem plantar com financiamentos abusivos em suas costas. O agro é Pop aqui em Mato Grosso para as cinco pessoas que financiam a campanha do Fávaro, para a grande maioria dos produtores a realidade é outra, estão todos endividados entregando sua produção para bancos e tradings. Quem disse que ia trazer a industrialização para o Estado virou banqueiro e agora está fazendo agiotagem pura em Mato Grosso”, finalizou.

Deixe seu Comentário

Você precisa logarlogin para publicar um comentário.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.