Ir para o conteúdo

MidiaNews

Coordenador do Naco Criminal, o procurador Domingos Sávio afirmou que não vê como cerceamento do direito à liberdade de expressão a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que proibiu o delegado Flávio Stringueta de fazer novos ataques aos membros do Ministério Público Estadual (MPE).

 

Em entrevista à Rádio CBN Cuiabá, Domingos Sávio afirmou que as acusações feitas pelo delegado – dentre outras coisas, que a instituição seria imoral – não foi bem recebida pelos colegas.

 

Em recurso junto ao STF, já negado, Stringueta afirmou que tem assegurado pela Constituição Federal o direito de emitir opiniões acerca dos fatos de que tem conhecimento.

 

“Temos sim a liberdade de expressão, mas temos que zelar para que essa nossa liberdade não atinja a honra das pessoas com calúnia, difamação ou injúria. Liberdade de expressão tem limites”, criticou o procurador.

 

Domingos Sávio afirmou que, ao atingir a honra de outra pessoa, o cidadão ultrapassa um limite e deve responder pelo crime que cometeu, mas se esquivou de avaliar a conduta do delegado.

 

“Eu não vou julgar a conduta desse delegado. Cabe à Justiça dizer se ele excedeu ou não. Mas em tese é isso: temos uma liberdade regrada para o bem de todos, porque se não vira uma balbúrdia, todo mundo xingando e esculhambando todo mundo em nome da liberdade. Não é possível isso”, afirmou.

 

Ataques e ação do MPE

 

Stringueta foi alvo de ação movida pela Associação Mato-grossense do Ministério Público (AMMP).

 

A ação foi proposta após o delegado escrever um artigo acusando a instituição de ser imoral, de desviar recurso e afirmar que os seus membros rateiam a sobra do duodécimo.

 

Intitulado “O que importa nessa vida?” – leia AQUI –, o artigo polêmico gerou revolta em promotores de Justiça e o próprio Stringueta afirmou, no texto, que sabia que seria processado, mas que via como uma oportunidade de “abrir as entranhas” da instituição.

Deixe seu Comentário

Você precisa logarlogin para publicar um comentário.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.