Ir para o conteúdo

ExtraMT News

O juiz João Bosco Soares da Silva, da 10ª Vara Criminal de Cuiabá, afirmou que tem interesse em ouvir os familiares da jornalista Nildes de Souza, 37 anos, que jogou cerveja em um policial militar, sobre suas possíveis “necessidades”.

A jornalista ganhou o noticiário após ser presa pelo fato na noite de terça-feira (13) na Praça Popular, em Cuiabá.

Ela foi liberada pela Justiça após a imposição de medidas cautelares como o uso de tornozeleira, recolhimento noturno e proibição de frequentar bares e boates.

Ma, foi flagrada novamente em outro restaurante na Praça Popular na noite seguinte. Ela foi detida por agentes da Polícia Militar e posteriormente liberada. Horas depois, já estava em uma confusão em um bar na região do Zero KM em Várzea Grande.

Agora, o magistrado João Bosco acionou o Ministério Público Estadual (MPE) para saber – de forma oficial – se a mulher descumpriu as medidas cautelares.

“A comunicação oficial de que a jornalista estaria descumprindo medidas judiciais não chegou até o magistrado. Ele optou, então, por acionar o MPE a fim de se produzir provas de forma oficial da quebra das medidas judiciais”, diz trecho de nota encaminhada à imprensa.

Familiares foram à imprensa e informaram que ele sofrer de transtorno bipolar, um distúrbio psiquiátrico que causa mudanças incomuns de humor.

Em nota, o magistrado também afirmou que, futuramente, irá disponibilizar uma equipe multidisciplinar do Fórum de Cuiabá (assistente social e psicóloga) “para que se identifiquem possíveis problemas e o encaminhamento que deve ser dado neste caso”.

“O Poder Judiciário tem o Projeto Justiça Terapêutica e o próprio Juizado Especial Criminal (Jecrim), que podem auxiliar nos tratamentos necessários. O magistrado quer minimizar o risco social a que ela está exposta”, finalizou a nota.

Deixe seu Comentário

Você precisa logarlogin para publicar um comentário.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.